quarta-feira, 28 de agosto de 2013

A oposição que eu queria


Queria muito que houvesse uma oposição decente ao governo que está aí. Que ela reconhecesse tudo de bom que aconteceu sob os governos recentes que tivemos, e apontasse para um futuro em que teríamos asseguradas as conquistas dos últimos 20 anos, mostrando as limitações desses governos, e como seria possível ir mais longe.
Mas a oposição que temos não se parece vagamente com isso. Quem se diz oposição à esquerda não tem nenhum projeto para o país, e são incapazes de dizer exatamente como fariam melhor do que quem está aí. Criticam o governo, e não poucas vezes com razão. Mas o que pretendem fazer caso cheguem ao poder? Ou antes: como pretendem chegar lá? Ou a idéia é passar o resto da vida lançando candidatura para "marcar posição"?
Sim, pois do jeito que está até parece que eles não sabem que discurso que só sabe dizer o que está ruim e, quando perguntado sobre os seus projetos, repete coisas genéricas como "igualdade" ou "socialismo", é coisa inconsequente de estudantes de 20 anos. Isso nunca será plataforma política para ninguém. Ou ao menos de ninguém que sonhe em chegar ao poder e governar um país. Em suma: estão condenados a fazer um discurso radical que vai fazer barulho nas redes sociais sem nenhuma penetração eleitoral.
A oposição de direita tinha muitos caminhos a seguir. Poderiam dizer que as bases da politica social do governo petista foram estabelecidas nos anos FHC. Poderiam dizer isso e explicar como fariam melhor que o governo atual, caso estivessem no poder. Poderiam dizer: "as bases das melhorias foram lançadas por nós, e garantiremos tudo o que foi conquistado, mas faremos melhor desta e daquela maneira". Seria um discurso muito respeitável, e viável eleitoralmente.
Mas por serem imbecis, não fazem nada disso. Só sabem inventar subterfúgios para mostrar o tamanho do ódio que sentem por verem os pobres brasileiros terem coisas que nunca tiveram. Só sabem ser contra o bolsa familia, o mais médicos e outros programas que incluíram na sociedade pessoas que jamais tiveram qualquer assistência do Estado.
Poderiam estar no debate político. Mas preferiram ser odiados por todos os que querem mudar o Brasil. Poderiam ter proposto algo. Mas preferiram ser derrotados em todas as eleições com os votos de quem viu sua vida ser mudada pelas políticas do governo.
Fiquem por aí chorando e lendo a Veja. Estamos mudando nosso país.Não tanto quanto queríamos e gostaríamos. Sabemos que esse governo não é o dos nossos sonhos. Mas convenhamos: com essa oposição que está aí. até que estamos bem. Fizemos o que podíamos.

3 comentários:

  1. Esta oposição que está aí nunca foi oposição. O PT se mascarou e foi para as portas das fabricas apenas com o intuito de ganhar eleição e fazer seu "pé de meia". O que vemos hoje são políticas que cada vez mais degradam o povo brasileiro. Pobres terem o que nunca tiveram? Onde você está vendo isto? Universidade para todos: vemos estudantes com um diploma na mão, mas, sem nenhuma qualificação. Na realidade o governo somente ampliou o número de estabelecimento os quais o chamou de escolas, universidades. E a bolsa família? Os beneficiados compram com este dinheiro tênis de marcas, roupas de marcas. E os médicos para todos? Não passa de um ledo engano. Cadê os hospitais onde estes médicos poderão atender? Têm que se criar políticas para qualificar os profissionais daqui e oferecer condições de trabalho para eles(hospitais equipados, humanização). Vivemos num pais onde todo mundo faz o que quer...agora mais um caso de corrupção: deputado Natan Donadon rouba milhões do Brasil e não é punido, continua a exercer o mandato como se nada tivesse acontecido. Ah! Em relação a PSDB, eles nunca esconderam o que eram, nem o que são.

    ResponderExcluir
  2. Comedor do Anônimo29 de agosto de 2013 14:22

    Esperar o que de quem imagina as pessoas comprarem futilidades com o dinheiro do bolsa família? Nada, né?

    Mas a verdade é:

    "De acordo com os resultados da pesquisa publicada na revista The Lancet, o Bolsa Família reduziu de 17% a mortalidade geral entre crianças nos municípios onde tinha alta cobertura, sendo que esta redução foi ainda maior quando considerou-se a mortalidade especifica por algumas causas como desnutrição (65%) e diarreia (53%).
    O Programa Saúde da Família (PSF) contribuiu também na redução da mortalidade em menores de cinco anos em efeito sinérgico com o PBF."

    http://www.onu.org.br/estudo-avalia-impacto-do-programa-bolsa-familia-na-reducao-da-mortalidade-infantil/

    ResponderExcluir
  3. Comedor do Anônimo29 de agosto de 2013 14:22

    Esperar o que de quem imagina as pessoas comprarem futilidades com o dinheiro do bolsa família? Nada, né?

    Mas a verdade é:

    "De acordo com os resultados da pesquisa publicada na revista The Lancet, o Bolsa Família reduziu de 17% a mortalidade geral entre crianças nos municípios onde tinha alta cobertura, sendo que esta redução foi ainda maior quando considerou-se a mortalidade especifica por algumas causas como desnutrição (65%) e diarreia (53%).
    O Programa Saúde da Família (PSF) contribuiu também na redução da mortalidade em menores de cinco anos em efeito sinérgico com o PBF."

    http://www.onu.org.br/estudo-avalia-impacto-do-programa-bolsa-familia-na-reducao-da-mortalidade-infantil/

    ResponderExcluir